domingo, 25 de julho de 2010

RNA oferece método seguro para reprogramar células, diz estudo

Estado imaturo induzido pode gerar novas células pluripotentes.
Técnica com DNA traz risco de alteração no genoma e de câncer.

Cientistas do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) desenvolveram nova técnica para substituir o DNA na reprogramação de células da pele em estruturas pluripotentes com o uso do RNA, conforme estudo divulgado na edição desta sexta-feira (23) do jornal PLoS ONE.

A equipe composta por Mehmet Fatih Yanik e Matthew Angel demonstrou que os genes necessários para a reformulação podem ser produzidos com o uso de RNA.

O próximo passo é garantir que o método leve à obtenção de células pluripotentes, capazes de gerar novos tecidos. Esta fase da pesquisa já está em desenvolvimento no MIT.

O estado imaturo, propício para gerar novas células, é uma promessa para o tratamento de doenças como diabetes e mal de Parkinson ao alterar geneticamente as estruturas afetadas no corpo dos pacientes.

Estratégias para reprogramação


As técnicas atuais para transformação trazem risco de desenvolvimento de câncer, como no caso do uso de vírus carregando DNA, que se integra ao material genético da célula a ser alterada. Outro método é inserir diretamente as proteínas sintetizadas em células maduras, porém os resultados são menos satisfatórios e o processo leva mais tempo e dinheiro.

No caso do uso do RNA, os pesquisadores precisaram desenvolver estratégias para evitar um mecanismo de defesa próprio de células quando atacadas por vírus com este material genético, no qual as estruturas se "suicidam" para preservar o resto do corpo.

Yanik e Angel conseguiram desativar a resposta imune após estudarem o comportamento do vírus da hepatite C e conseguiram induzir as células a reprogramar proteínas por mais de uma semana, alternando o uso de RNA mensageiro com pequenos RNAs de interferência.

O RNA é o material genético responsável pela transmissão de informação entre o DNA e o maquinário produtor de proteína dentro das células.

Nenhum comentário:

Postar um comentário